BOI DE PIRANHA

01-05-2014
Vania Leal Cintra - minhatrincheira@uol.com.br

 

 

 

       Não sou muito chegada às ficções, às aventuras fantásticas, muito menos aos romances policiais, menos ainda às histórias da carochinha, nas quais as bruxas são boas, os príncipes se transformam em sapos, os sapos se transformam em príncipes… Mas, em outubro próximo, teremos eleições, e coisas tão estranhas andam acontecendo nos últimos tempos que querer acompanhar as notícias é como ser obrigada a acompanhar, em capítulos, os roteiros de filmes repletos de feitiços, mistérios e terrores. Com direito a efeitos especiais para ninguém pôr defeito. A antiga “página policial”, que nos era dada, em geral, nas últimas folhas dos jornais, já não mais existe por desnecessária – as matérias antes a ela pertinentes se exibem na folha de rosto. Homicídios, roubos e furtos, de pequena ou grande monta, são o que, já faz tempo, de mais importante a Imprensa encontra para distrair nossas almas entediadas e vazias de ambições. E o pouco que nos digam os títulos, os artigos de fundo se encarregam de minuciosamente justificar.   

 

      A notícia mais empolgada e, para alguns, mais empolgante da semana passada foi a do falecimento do Coronel Paulo Malhães, que recentemente havia prestado depoimento à Comissão da Verdade. O Coronel teria sido um torturador. Fosse ou não fosse, ninguém a ele se refere como fosse um “ex”-torturador – mesmo que os vizinhos o admirassem como um homem “carinhoso, excelente pessoa, simpático e boa, um cara exemplar”. À custa da propaganda bem dirigida, todos os que o conheciam passaram, da noite para o dia, a recordar-se dele com “um embaralhado de sentimentos”; e alguém até diria que ficou “arrasada por aquele homem tão gente boa, que você gosta, que te trata bem, ter feito aquelas coisas terríveis.”

 

      A notícia dessa morte vem competindo ferozmente por espaço nas folhas impressas e nas telas com a da morte de um dançarino. Na portada do UOL um artigo com título e conteúdo líricos era anunciado: “Lugar bom para o torturador Paulo Malhães era a cadeia, e não o caixão” – e nem esse artigo nem outro qualquer nos esclarecerá qual seria o melhor lugar para o bando de terroristas que por todos são considerados “ex”-terroristas e hoje nos governa. Deve ser o Governo…

 

      O fato é que o “caso Malhães” insiste em permanecer como matéria “quente”, em suíte contínua. Se muito interessados no desdobramento desse caso, poderemos saber que Wadih Damous declarou que “as controvérsias em torno da morte do coronel Malhães alimentam suspeitas em torno do laudo médico no qual a causa da morte é descrita como ‘edema pulmonar, isquemia do miocárdio, miocardiopatia hipertrófica, evolução de estado mórbido [doença]’”. Este, que não será um caso comum “pelo passado dele e pelo o que ele representou … tinha de ter tido um acompanhamento federal. Não pode ser tratado como mera tentativa de assalto“. No entanto, Wadih Damous, que é um dos donos absolutos das verdades mais que absolutas na atualidade, não só as doutrinárias como as fáticas e as médicas, já solucionou o caso: não chegou a dizer que não existiria qualquer crime nesse mistério, mas imediatamente declarou que não existe mistério algum nesse crime – ele “sabe” que se trata de uma “queima de arquivo“. Muito agudo. Embora a Polícia Civil afirme que não há indícios que sustentem essa tese.

 

      Para exibir evidências que justificam a metodologia adotada no desvendamento desse mistério, Rosa Cardoso, José Paulo Cavalcanti Filho e Pedro Dallari participaram de reunião no Palácio Guanabara com o Secretário da Casa Civil do Rio, Leonardo Espíndola. Uma dessas evidências será o fato de que “entre as primeiras pessoas que souberam da morte do coronel Malhães está o também coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-comandante do Destacamento de Operações de Informações”, que, aos 31 exatos minutos antes de que a Imprensa desse o “furo de reportagem”, tê-la-ia informado em sua página pessoal. Muito estranho, realmente muito suspeito e, ao mesmo tempo, sem dúvida, bastante esclarecedor, que Malhães e Ustra, contemporâneos de caserna e acusados de semelhantes abominações, tivessem conhecidos em comum ou, inclusive, que as famílias de ambos tivessem contato… não é, mesmo? Também acho…

 

      O Coronel Malhães, disseram, teria sido asfixiado em sua casa na Baixada Fluminense. Nessa mesma casa, naquele mesmo momento, estavam também sua mulher e um funcionário. Que estão vivos. A ação portanto tinha um objetivo determinado. Imediato ou mediato. Matá-lo? Talvez sim, talvez não. Apenas assustá-lo? Remexer em seus pertences?  Sua coleção de armas foi roubada. Dizem. A Polícia Federal, chamada ao caso pela Comissão de Direitos Humanos do Senado, arrastou “três computadores, mídias digitais, agendas e documentos secretos da ditadura militar”. Dizem. “Uma série de documentos foram confiscados”. Dizem.

 

      Os Senadores aprovaram que fosse feita “diligência no Estado para acompanhar as investigações” e também trataram de “ser recebidos pelo ministro da Justiça”. Randolfe Rodrigues, do PSOL do Amapá, já avisou que a Comissão de Direitos Humanos não concorda “com o ‘tratamento’ dado pela Polícia Civil do Rio ao caso da morte de Malhães”; ele mesmo se mostra muito indignado com a possiblidade de que seja apresentada uma “confissão de caseiro como espécie de encerramento do caso”. Não se contenta com uma “versão rápida”: “Não aceito que esse caso seja tratado desta forma. … Seja qual for a razão da morte dele, foi negligência total. Por isso não podemos nos omitir mais do que outras instituições já se omitiram. Temos que acompanhar este caso”. Por sua iniciativa, foi criada uma comissão específica para esse realizar acompanhamento, composta por ele mesmo, Randolfe, João Capiberibe, do PSB também do Amapá, e Ana Rita do PT do Espírito Santo. Na opinião autorizada de Randolfe, Malhães morreu por omissão do Estado brasileiro e “existem elementos que não podem ficar só por conta da Polícia Civil do Rio.”

 

      Em suas preocupações, Randolfe se vê muito bem acompanhado. Com não permitir que a Polícia Civil do Rio se encarregue de sua função também concorda a mãe de DG, o dançarino da TV GLOBO que levou um tiro em fuga – contratou detetives norte-americanos para apurar o ocorrido e pretende levá-lo à Anistia Internacional… Pensando bem, se a Polícia Civil do Rio vale nada, não seria o caso do esforçado Senador sugerir que o mesmo fosse feito nesse caso tão “estranho” de que ora se encarrega?  

 

***

      Tudo bem. Em novembro de 2011, foi sancionada lei que criava a Comissão da Verdade que teria como objetivo “promover o esclarecimento circunstanciado dos casos de torturas, mortes, desaparecimentos forçados, ocultação de cadáveres” e “casos de graves violações de direitos humanos” ocorridos entre 1946 e 1988, e determinava ser “dever dos servidores públicos e dos militares” colaborar com isso. Rousseff, uma das “ex”-terroristas no Poder, instalaria aos prantos a Comissão em Maio de 2012 já em meio a movimentos “intelectuais” de esculacho e escracho a Oficiais militares que serviram à Ordem nos anos mais recentes desse intervalo. Rousseff afirmava em discurso que aquele ato era “a celebração da transparência, da verdade de uma Nação que vem trilhando os caminhos na democracia, mas que ainda tem um encontro marcado consigo mesma. … A sombra e a mentira não são capazes de promover a concórdia…. O Brasil merece a verdade”, disse a presidente, “as novas gerações merecem a verdade … a força pode esconder a verdade, a tirania pode impedi-la de circular livremente, mas o tempo acaba por trazê-la à luz. Hoje esse tempo chegou“.

 

      O discurso foi feito na presença dos presidentes que a antecederam “nesses 28 anos benditos”: José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, cada um deles “responsável por esse momento histórico de celebração”, cada um deles tendo dado “sua contribuição para esse marco civilizatório, ponto culminante de um processo iniciado na luta pelo povo brasileiro, pela anistia, pelas eleições diretas, pela Constituinte, pela estabilidade econômica, pelo crescimento“.  

 

      A paixão sempre atrapalha o discernimento. Digamos que Rousseff pretendesse, com pureza d’alma, dizer a sua verdade aos ouvintes, uma verdade que a sua é, o que não duvido. Quem sou eu para duvidar? Mas há outras verdades a considerar. Fernando Henrique Cardoso, por exemplo, comentaria: “Eu acho que a presidente falou por todos nós, é um dia importante para o Brasil, com esse espírito de reconhecer a verdade, guardar na memória e ao mesmo tempo abrir as portas para uma reconciliação. Aqui é uma questão de Estado, não é política“. Um pouco difícil será entender o que possa ser “uma questão de Estado” sem que seja uma questão política. Mas não será difícil entender que o que a Anistia tentou resolver a Esquerda não permitiria, a qualquer custo, que fosse resolvido. E, para tanto, mostrava-se reconciliada e unida. Não permitirá. Isso nos restaria claro, e muito claro, suficientemente claro.   

 

       Mas, ora, falar de celebração, estabilidade econômica e crescimento é um bocado conveniente a um governo que pretenda ser reeleito. A aprovação do Governo Rousseff era inconteste naquele momento, em todas as regiões do País, em todas as camadas sociais. De repente, porém, as coisas começaram a se complicar, a ficar confusas e um pouco difíceis. Mais ainda justo no ano em que se completariam 50 após 1964, jubileu que os vencidos exaustivamente celebrariam (?) tentando demonstrar o “nazi-fascismo” que inspirava o Movimento que depôs João Goulart (já estamos em Maio e acabo de receber a comunicação da realização, nos dias 5, 6 e 7, das JORNADAS BRASIL-ALEMANHA –  “Por ocasião dos 50 anos do Golpe militar de 1964, a PUC-SP realiza um ciclo de debates no qual se discutirão aspectos importantes das políticas alemã e brasileira como o acordo Nuclear Brasil-Alemanha assinado em 1975, as políticas para grandes eventos e as relações da Alemanha com a ditadura brasileira”… A programação está em http://www.pucsp.br/jornadas-brasil-alemanha-50-anos-do-golpe-de-1964).

 

***

      De repente as coisas se complicaram? Deixemos o Mensalão, que já é matéria “fria”, de lado. Há uns dez dias, lembrava João Mellão Neto em artigo em O Estado de S.Paulo, que em 2011 a Petrobrás “era motivo de grande orgulho para todos nós, brasileiros. … No balanço referente a 2012, a Petrobrás despencou no ranking, ocupando atualmente um desonroso 120.º lugar. E o lucro? O que houve ninguém viu, o que se sabe é que sumiu… O mistério não é tão difícil de entender: da gestão do então presidente Lula para cá, tem sido notória a apropriação de recursos da empresa para fins outros que não a exploração exclusiva de petróleo.” (http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,petrobras-de-escandalo-e-escandalo,1155520,0.htm)

 

      Que bom! Pelo menos um mistério terá sido solucionado. E a solução foi encontrada em fatos, não em suposições. A ninguém ela poderia ter surpreendido. Há quase um ano, em 24/06/2013, Fabiano Portilho já comentava em “O Fim de Lula e Dilma: Escândalo Bilionário na Petrobras é Maior que o Mensalão” – “A compra da refinaria de Pasadena, no Texas, pela Petrobras é o grande escândalo que o PT vinha abafando, mas acabou chegando ao Tribunal de Contas da União e com largas chances de aterrissar na Justiça Criminal.” Os fatos e os personagens da história já conhecemos: “O estranho negócio, que causou prejuízo de pelo menos US$ 1 bilhão à empresa e seus acionistas, tem como protagonistas pessoas muito próximas a Lula e, sob a ótica do escândalo, tem todos os ingredientes necessários para superar com folga o Mensalão do PT. No olho do furacão estão Guido Mantega, ministro da Fazenda e atual presidente do Conselho de Administração da Petrobras; José Sérgio Gabrielli de Azevedo, ex-presidente da estatal petrolífera e atualmente secretário no governo Jaques Wagner; Almir Guilherme Barbassa, diretor financeiro da empresa e presidente da Petrobras International Finance Co., a caixa de Pandora da empresa; Nestor Cerveró, diretor financeiro da BR Distribuidora; e Alberto Feilhaber, funcionário da Petrobras durante duas décadas e há alguns anos trabalhando na Astra Oil, uma das empresas do grupo que atraiu a Petrobras para a refinaria de Pasadena e depois largou a bomba nas mãos dos brasileiros”.

 

      Já se apontava nesse artigo que “o escândalo ganha contornos maiores e mais perigosos porque à época do negócio, que pode acabar em tribunal de Nova York a pedido de investidores internacionais, a presidente do Conselho de Administração da Petrobras era Dilma Rousseff.“ E se acrescentava o óbvio: “Acontece que nenhum ser humano minimamente lógico e dotado de inteligência, a ponto de ser guindado a cargos de direção em uma empresa como a Petrobras, aceita um negócio lesivo, como a compra da refinaria texana, sem que haja um plano diabólico por trás.” (http://www.portali9.com.br/noticias/denuncia/o-fim-de-lula-e-dilma-escandalo-bilionario-na-petrobras-e-maior-que-o-mensalao)

 

      Certo. Nenhum ser humano minimamente lógico e dotado de inteligência aceitará um negócio lesivo sem que haja um plano diabólico por trás. Nenhum. Pois alguém aceitou. E quem aceitou? Caramba! Foram os “ex”-terroristas! Um negócio lesivo a quem? Caramba! Ao Estado brasileiro, a todos nós! Se aceitaram, qual plano diabólico estaria por trás? Pouco importa. Porque tudo está meio confuso, e vai ficando cada vez mais difícil explicar, desvie-se a atenção do público. Se a Esquerda deve permanecer unida, para que o PT, contra o resto da Esquerda, triunfe glorioso nas eleições que se aproximam será preciso que ele cruze o Rubicão, enfrente uma guerra e saia dela como governante absoluto da República, transformando-a em um Império da Verdade. Alea jacta est. Jogue-se também, portanto, um boi de piranha naquelas águas de Março, com o que se evitará que o Partido e seus componentes sejam apontados como traidores e enterrados na poeira da História. E ninguém há de reclamar. Várias tentativas são feitas e todas são mal sucedidas. À falta de “quem matou” Jango, Juscelino ou Odete Roitman, nomes de projeção nacional, invista-se em “quem matou” Rubem Paiva.

 

***

      É quando um Coronel, reformado, 76 anos, saúde debilitada, ex-coordenador do Centro de Informações do Exército no Rio (CIE) durante o regime dito militar, apontado como fisicamente bastante parecido com Saddam Hussein (o que vinha a calhar), será procurado por uma advogada da Comissão da Verdade-RJ e um jornalista, sendo instado a comparecer a uma audiência no Arquivo Nacional, onde chegou em cadeira de rodas. Tendo feito uma ressalva, a de que deveria ser ouvido reservadamente, terminou por aceitar falar na presença da Imprensa, “desde que repórteres não fizessem pergunta”.

 

      O Coronel Malhães poderia ter ficado calado, poderia ter-se recusado a responder a qualquer questionamento ou a qualquer acusação ou mesmo qualquer insinuação dos ínclitos integrantes da Comissão da Verdade, além de que qualquer resposta que lhes desse não necessariamente faria prova contra si mesmo. Segundo a Imprensa, “em ambas as declarações, ele confirmou ser ele o responsável pelo desaparecimento de Rubens Paiva”. A respeito do que foi publicado de seu depoimento, no entanto, diria que “foi mal interpretado nas entrevistas aos jornais O Dia e O Globo, quando falou ‘por meio de parábolas’.”

 

      Para bem compreender uma parábola será necessário um mínimo de inteligência. A conclusão da Comissão da Verdade foi, nas palavras de um de seus integrantes, José Carlos Dias, a de que “o coronel foi evasivo em várias respostas”. Mesmo assim, “o caso Rubens Paiva” estaria “esclarecido”, uma vez que, ainda que ele tenha dito que não participou da missão, isso “não importa, porque ele reconheceu que houve a missão“.

 

      Não, nenhum ser humano minimamente lógico e dotado de inteligência aceita um negócio lesivo sem que haja um plano diabólico por trás. O Coronel Malhães aceitou um negócio lesivo. Lesivo a ele mesmo e a seus camaradas de caserna. Não estando em missão, não considerou o risco indireto de que também pudesse ser lesivo ao País. O Coronel Malhães teria um plano, por certo. Farto da ficção com que os escribas comissionados da Nova República insistem em cobrir a História real e suas verdadeiras razões, transformando em personagens fantásticos os que dessa História participaram, resolveu dar fim a, pelo menos, parte dela. E confessaria: “Eu só disse que fui eu porque eu acho uma história muito triste quando a família diz que leva 38 anos querendo saber o paradeiro do corpo. Não sou sentimental, não. (Falei) Para não começar uma guerra para saber onde estava o corpo”, disse ele.

 

      É… A paixão sempre atrapalhará o discernimento…

 

      Tudo bem, também. Logo em seguida, já em Abril, tendo cumprido o papel de boi de piranha que lhe foi destinado pelas novas instituições nacionais e por ele mesmo foi aceito, o Coronel Paulo Malhães estará morto. Com o assalto à sua casa, poderá ter morrido inclusive de susto. Mas, em um país no qual os mortos se transformam em mais importantes que os vivos, por interesse exclusivo dos mais vivos entre esses vivos, o assunto ainda renderá muito. Além de que Wadih Damous foi tão categórico que nem eu mais duvido disso – foi “queima de arquivo”!

 

      E, se é que de fato foi, só uma pergunta nos poderia restar: a quem interessaria “queimar” esse “arquivo” que já havia sido tão escancarado e tão remexido, há tão poucos dias? A quem interessaria remexer em documentos que guardasse? A quem mais poderia interessar que “agendas e documentos secretos da ditadura militar”, que, dizem, estariam na casa do Coronel, viessem à luz? Só posso imaginar que apenas àqueles a quem a palavra de Malhães não bastou. Porque queriam mais. E, como minha imaginação é um bocado fértil, não duvido, tampouco, de que a intenção seja a de que tais documentos possam ser reorganizados e recheados da forma mais “correta” e mais efetivamente pertinente a uma certa “verdade” que, a qualquer custo, precisa ser demonstrada – nem que seja como o são as demais “verdades” que nos são reveladas, com recurso a uma “compatibilidade criativa”, a exemplo da “contabilidade” que nos vem sendo apresentada.   

 

      Mas isso é assunto que só importaria aos muito vivos. E a ninguém mais interessará sequer especular. Todo mundo já está para lá de farto com tudo isso. Não está, não? Eu estou. E não sou sentimental. Qualquer dia desses, saio, eu mesma, às ruas dizendo que quem matou Ulisses Guimarães fui eu. E dei fim ao corpo para que não fosse reconhecido. Mas também matei Mario Kosel e aquela mais de uma centena daqueles que alguns imaginam que perderam a vida nas mãos da esquerda santa. E matei Carlos Lacerda. E matei Felinto Müller. E matei Castelo Branco. E matei Getúlio Vargas. E também Gregório Bezerra. E por que não Tiradentes? Matei, sim! Eu matei.  

 

      Com este meu depoimento público, de extrema e incontestável relevância, resolvidos os mistérios todos, talvez deixemos os mortos em paz, talvez consigamos pensar apenas em coisas sérias e realmente dignas de nossa atenção hoje em dia; e talvez possamos, por fim, começar a querer dar alguns passos à frente.

 

 

 

  

  

 

 

 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

Permitida a reprodução total ou parcial desde que citados autor e fonte.
®2003 - 2018 www.minhatrincheira.com.br / www.minhatrincheira.com.br todos os direitos reservados.