Vania Leal Cintra - minhatrincheira@uol.com.br
Índios e fazendeiros de Mato Grosso do Sul concordam num ponto: a paz no Estado tem preço, a ser pago pelos governos federal e estadual.”
——————————-
 
Conforme eu dizia” parece começo de conversa de velha ranheta. Quem sabe se não é só isso o que sou?
Mas nem só uma velha ranheta deverá saber que preço é preço e valor é valor.
Se essa “paz” tem um preço, por mais que esse preço tenha sido calculado pelos ruralistas, ele nada significa senão rendição.
E é um preço que um Estado rendido deverá pagar. Essa “paz” que tem preço significa abandonar mais um pedaço do território nacional e deixá-lo à mercê dos caprichos de quem não tem noção de coisa alguma, sequer de que come nas mãos de terceiros.
Amanhã estaremos todos nós pondo um preço em tudo o que já se fez neste País. E um preço em todos aqueles que, em nome dele, fizeram algo.
Qual será o nosso preço, então? Quem o calculará? Quem o pagará?
Conforme eu dizia… num dia desses – e ninguém parece ter gostado do que eu disse –, aquela idéia de que “é chato esse negócio de tentar produzir comida tendo de enfrentar os peles-verdes, os peles-vermelhas e os caras de pau” poderia virar moda. E a moda poderia pegar.
Pois parece que pegou…
E qual é o problema? Nenhum… Não é isso?
 
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Notícias: Ruralistas querem R$ 1 bilhão para desocupar as áreas 
 
Índios e fazendeiros de Mato Grosso do Sul concordam num ponto: a paz no Estado tem preço, a ser pago pelos governos federal e estadual.
No Estado onde ao menos 320 índios foram mortos nos últimos dez anos, ruralistas calcularam o valor para deixar as áreas: R$ 1 bilhão por 72 mil hectares em 65 fazendas –área equivalente à metade da cidade de São Paulo.
“Não custa metade de um estádio de Copa do Mundo, desses de segunda categoria que ele [o governo federal] está fazendo. Um daqueles resolveria a questão”, diz Francisco Maia, líder da Associação dos Criadores de MS e da Frente Nacional da Pecuária.
Só a reforma do Maracanã, no Rio, custou R$ 1,2 bilhão. O valor serviria de indenização pela terra e pelas benfeitorias. Em Sidrolândia, principal área de conflito em MS, um hectare de terra com pastagem já formada custa até R$ 12 mil, segundo a consultoria Informa Economics FNP.
Já um hectare de terra agrícola de alta produtividade no município chega a R$ 19 mil.
Em ofício ao governo em 2010, a Procuradoria em MS dizia que não indenizar produtores titulados seria “absoluta incoerência” e “injustiça”. Muitos fazendeiros têm títulos das terras, muitas com registro de produção agrícola desde o fim da Guerra do Paraguai (1864-1870). Os documentos foram concedidos por governos que queriam povoar a área. “Todas as terras são legais”, afirma Maia.
Para o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), braço da Igreja Católica, é preciso um entendimento dos governos para indenizar os produtores. “Os governos federal e estadual podem muito bem encontrar solução para compor as origens desses recursos”, diz o secretário-executivo do Cimi, Cleber Buzatto.
O Planalto costuma evocar o artigo 231 da Constituição para se dizer impedido de pagar pelas terras. O texto diz que a União não pode comprar terras de ocupação tradicional de povos indígenas.
Anteontem, o ministro José Eduardo Cardozo disse que irá discutir a possibilidade de comprar terras: “Vamos debater todas as teses que sejam possíveis do ponto de vista jurídico”.
 
 
————————————————————————————————————————————————–
Permitida a reprodução total ou parcial desde que citados autor e fonte.
®2003 - 2018 www.minhatrincheira.com.br / www.minhatrincheira.com.br todos os direitos reservados.