Vania Leal Cintra - minhatrincheira@uol.com.br

 

 

 

 

     O mundo é, sempre foi e sempre será um grandioso palco em que se encenam disputas permanentes, umas menos, outras mais violentas. Há, inclusive, quem nos afirme que, sem competitividade, não haverá progresso. E, em não havendo progresso…

 

     Em nossos dias – quando a comunicação virtual e as imagens projetadas nas telas (sendo a maioria delas editada) permitem parecer que é desnecessário o contato com a realidade e parecem poder substituir com vantagens qualquer proximidade com interlocutores reais e enfrentamentos físicos de qualquer natureza – “brilhar” equivale a “vencer”.

 

     Vira daqui, mexe dali, acreditamos encontrar a origem de um brilho eventual e fugaz de nosso País em refulgentes indivíduos e os exaltamos “patrioticamente”. Fechamos os olhos às motivações pessoais que os levaram a participar de disputas em um ambiente qualquer em que todos disputam permanentemente contra todos, tal como são todos os ambientes montados naquele palco de dimensão mundial; não raramente veremos, em seguida, que esses indivíduos poderão estar prestando serviços a outras forças e organizações, não em exclusivo ou apenas não mais às nossas, brasileiras.

 

     Podemos também assistir a entusiasmo semelhante quando algum brasileiro surpreende a população, obtém sua simpatia e se destaca por ter agido em sua função de acordo com a moral pública ou em sua defesa e a de regras que lhe são decorrentes. Imediatamente, seu nome será cogitado para a Presidência da República… Em seguida, os próprios fatos do dia-a-dia se encarregam de soterrá-lo na vala comum onde já se encontram, cobertos por pesada poeira sideral, os milhões de nomes de milhões de bons cidadãos que apenas agiram e agem de acordo com os protocolos.

 

     É que vira daqui, mexe dali e nos esquecemos de ponderar que astros e estrelas somente brilham e bem ou mal nos iluminam quando nos cerca a escuridão. E nos esquecemos também de que as analogias sempre serão, no mínimo, interessantes ao raciocínio e ao conhecimento.

 

     Há, sim, o que tenha certa luz e brilho próprios. Mas o brilho, em geral, independe do que compõe intrinsecamente o que brilha. O brilho dos iluminados depende apenas do tratamento que recebem, do material que os reveste, da sua posição e da luz que lhes é jogada em cima. Não brilhará o que estiver encoberto ou muito gasto e não receber polimento adequado. E brilhar nem sempre corresponde à consciência de que estamos indo por um caminho muito mal traçado, mal calçado e mal iluminado, à consciência de que o rumo que tomamos é equivocado porque é circular e viciado, e à de que alterar esse rumo somente nos beneficiará caso decidamos ir ao encontro de um ponto capaz de nos permitir impulso a que avancemos de fato e nos livremos de um destino inexorável que se reserva aos que sobrevivem na periferia, com todos os males que afligem a periferia.

 

     Somos incontestavelmente um espaço que se caracteriza por uma cultura de periferia, um espaço que, por ser de periferia cultural, será, por decorrência, não só de periferia política como econômica. Para escapar dessa condição humilhante, que não decorre de quaisquer de nossas condições materiais naturais, é necessário que tenhamos muita cautela com receitas prontas que nos sejam oferecidas – embora, com esse friozinho que anda fazendo, caia bem também uma canja de galinha que a ninguém faz mal. Toda cautela é necessária porque o incentivo a que se manifeste muito entusiasmo com determinadas atitudes “de efeito”, levando-nos a interpretá-las como próprias dos “salvadores da Pátria”, poderá perfeitamente corresponder apenas ao canto de uma sereia. Ou significar que Tróia possa ter decidido nos oferecer de presente um belo cavalo recheado de gregos mal intencionados. E acudir a esse incentivo poderá demonstrar apenas que por sereias gostamos de ser enfeitiçados, ou que pelo cavalo, que consideramos ser melhor que nada, devemos agradecer comovidos – um comportamento típico de periferia, provocado por uma mentalidade típica de periferia.

 

     Vou aqui chamar, como exemplo de falso brilho, de sereias que cantam e/ou cavalos de Tróia que são dados de presente, um caso bem recente e também típico, que aqueles que nos “inventaram” nos oferecem: como o “melhor recanto de Espanha” acaba de ser eleito um monumento do século XVI, em estilo manuelino, plantado em um simpático pedacinho de Portugal que, um belo dia, foi abocanhado pelo império seu vizinho – a Igreja de Santa Maria Madalena de Olivença. O concurso foi de iniciativa do Guia Repsol – Repsol, sim, a 15ª maior petroleira do mundo e a maior companhia energética privada hispano-americana. Muitos oliventinos e, por certo, muitos portugueses de vários outros rincões entusiasmaram-se com o concurso, correram a dar seu voto pela web e se maravilharam com o resultado da eleição que brindou um dos motivos de justo orgulho da monumentalidade portuguesa somente superado pelo Mosteiro dos Jerônimos.

 

     Muitos se entusiasmaram, pois, mas nem todos. Porque nem todos são tolos e nem todos puderam ser iludidos. Dizia o jornal “Público” de Lisboa “(…) Já nesta quinta-feira [27 de agosto], num comunicado de reacção à eleição, o Grupo dos Amigos de Olivença alerta que ‘esta escolha, das quais se desconhecem os critérios, não será certamente inocente e deverá levar todos os portugueses a questionar quais os reais motivos dos organizadores do evento colocando um monumento tipicamente português como representativo de Espanha’.”

 

     Acrescente-se, por ser de nosso “suposto” (hirc!) mesmo que remoto interesse, que, não por acaso, nessa mesma Igreja se encontra o túmulo de Frei Henrique de Coimbra, que era confessor do Rei D. Manuel e acompanhou Pedro Álvares Cabral em sua chegada oficial ao Brasil em 1500. Quais os argumentos do Grupo dos Amigos de Olivença, GAO? “Para este grupo, a escolha representa mesmo uma ‘indecorosa tentativa de legitimação da ocupação do território de Olivença junto da opinião pública portuguesa. Nem mesmo escamoteando a verdade se pode entender como pode uma catedral portuguesa, na nossa Olivença, ser representativa da Espanha. A igreja da Madalena nada tem de espanhol e ali nada há de estremenho (…) Olivença é um território juridicamente português ocupado ilegalmente por Espanha.  A escolha da igreja da Madalena é certamente vista por muitos portugueses, no mínimo como muito infeliz, no máximo como uma provocação a Portugal patrocinada pela Repsol’ ”.(http://www.publico.pt/Sociedade/igreja-portuguesa-de-olivenca-eleita-melhor-recanto-de-espanha-2012-1564755)

 

     Tudo já aqui foi dito, nada há a acrescentar. O concurso foi não mais que uma arapuca, que cativou muitos daqueles que gozam de uma preguiçosa tendência a viver bem em cativeiro, desde que a merenda seja farta. Embora muitos – mas nem todos – pudessem ter visto nesse concurso uma provocação ao Estado português, a inclusão do monumento português erguido em terra que Espanha hoje ocupa indevidamente entre os locais que poderiam disputar o título de “o melhor recanto” deste país mobilizou a população portuguesa “em defesa”, por certo, de um valor que lhe é caro; e, com isso, bem menos caro a essa população e, portanto, bem menos defensável se demonstrou, ao mundo, ser o próprio Estado português.

 

     Quanto a nós aqui, não nos custa olhar o julgamento do Mensalão com certa cautela, embora canja de galinha não se ponha todos os dias à mesa de todos. Esse julgamento não depende de eleições, mas poderá muito influir na expectativa do resultado delas.

 

     Vara da Justiça Federal em Brasília, de estar envolvido no esquema do mensalão e de utilizar a máquina pública para realizar promoção pessoal. O MPF pediu, em liminar, o bloqueio de seus bens. Em que pé estaria esse processo? Eu cá não tenho qualquer notícia dele. (previdencia/?searchterm=improbidade).

 

     Se bem que saibamos que “indivíduo” é “indivíduo”, que “Partido” é “Partido” e que “base aliada” é “base aliada”, e se bem que possamos supor que, para Dom Inácio, seria muito importante que o nome de todos os participantes e colaboradores de seu governo – e o dele próprio – saíssem desse julgamento no STF como lírios do campo em tarde amena depois de um chuvisco, nada nos convence inteiramente de que Dona Rousseff se ponha de fato muito abalada com o afastamento de algumas tiriricas inequivocamente emporcalhadas de seu pasto. Afinal, ela se autonomeou Faxineira em Chefe do Planalto Central. Se não for, ela mesma, envolvida na sujeira que a cerca e em que expoentes de seu Partido e de outros tantos chafurdam, só tem a ganhar com o final da Ação Penal 470 (Mensalão) seja qual for o resultado. Brilhará.

 

     Se abstrairmos insinuações em hora e local inapropriados a resolvê-las, o Relator do processo, até aqui, vai indo bem. O que, aliás, para muitos foi uma surpresa. Mostra ter fôlego e, mesmo que faça o que vem fazendo só por saber bem aproveitar seus 15 minutos de holofotes, pelo menos escolheu sair bonito nas fotos que deixará em nossa História. E muitos o vêm acompanhando em suas conclusões, o que também, por vezes, surpreende. 

 

     Dizem que ele conta com segurança pessoal garantida por Oficiais da ABIN, o que terá sido decidido pelo Gen. Elito, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, de acordo com alguns integrantes do Alto Comando das FFAA e atropelando Dona Rousseff. Pode ser que sim, pode ser que não. Meio difícil é, porque todo Oficial militar é muito disciplinado. Mas nada é impossível. E, se de fato assim foi, é que a coisa está bem mais complicada do que podemos supor… Por outro lado, quanto às FFAA, a eventual condenação de José Genoíno não lhes altera, em nada, o quadro adverso – o Marechal de Campo Amorim, Ministro da Defesa, poderá substituí-lo por outro ex-guerrilheiro e a festa há de prosseguir com alegria.

 

     Outro fato a considerar é que não se limpa um País enfiando só meia dúzia atrás das grades. Ou forçando alguém ao exílio. O resultado das próximas eleições que nos confirme, outra vez mais, essa tese. Além de que bolhas de sabão não duram por muito tempo. E mesmo o bom sabão mistura-se bem à lama e, se não for muito bem enxaguado, deixará uma goma mal cheirosa como resíduo na superfície que se pretendia limpar.

 

     Há boatos em excesso, tal como sempre houve a respeito de tudo. Muita gente anda simplificando em excesso o que é muito e muito complicado. Sabemos muito pouco do que ocorre nos bastidores e a Imprensa não só ajuda a fazer marola como muito pouco nos informa de útil – talvez até porque a muito pouco tenha acesso, além de ter seus próprios interesses. O que de bom restar disso tudo, pois, consideremos como consolo – se algo de bom restar e quando assim pudermos interpretar.

 

     Mas, desde já, não nos iludamos. Seja qual for o resultado do julgamento da AP 470, o Brasil só perdeu, a começar por ter permitido que existisse aquilo que a motivou. A verdade verdadeira é que nós todos já nos perdemos e perdemos muito, não no particular, mas no geral, porque faz tempo que escorregamos no calçamento, batemos a cabeça e perdemos o bonde da História. E não será esperando o próximo que reverteremos o atraso, a opacidade e a escuridão em que nos metemos – mesmo porque, além de muita gente bem saber que não quer corrupção no poder, ninguém sabe o que de fato mais poderá ou deverá querer fazer, inclusive para evitar a corrupção no poder. E todos continuam sendo orientados por falsas estrelas e falsos astros que, da mesma forma que os verdadeiros, podem ser vistos brilhando em posição diferente conforme a latitude e conforme a época do ano. A tendência, pois, é que nos próximos tempos só continuemos a perder e a nos perder, de um jeito ou de outro, de carona no estribo do bonde ou a pé, com entusiasmo ou sem entusiasmo, a céu aberto ou coberto de nuvens, com alguns gatos pingados sendo agora condenados ou absolvidos. Até que resolvamos recobrar a consciência.

 

 

 

 

  

  

 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 

      

Permitida a reprodução total ou parcial desde que citados autor e fonte.
®2003 - 2018 www.minhatrincheira.com.br / www.minhatrincheira.com.br todos os direitos reservados.